Ginkgo Biloba 100 comprimidos PRICE

Nuevo producto

O gingko ajuda no sistema circulatório, melhorando tanto na circulação arterial, capilar e venosa.
O Ginkgo Biloba tem propriedades como vasodilatador, antioxidante, neuroprotetor e inibidor do fator ativador de plaquetas.
Promove o aumento do fluxo sanguíneo, especialmente no cérebro, o que explica os seus efeitos na memória e faculdades mentais.

Más detalles

No reward points for this product.


5,82 € impuestos inc.

Añadir a la lista de deseos

Aceitamos Multibanco, Transferência, Payshop, Visa, Western Union, Boleto, Etc...
Aceitamos Multibanco, Transferência, Payshop, Visa, Western Union, Boleto, Etc...

Más

GINKGO BILOBA
Para o rendimento cognitivo


Ingredientes

Ginkgo biloba, Ginkgo (Ext 20:1) (Equivalente de planta fresca) Ginkgo biloba, Ginkgo


O extracto de folhas de Ginkgo contém determinadas substâncias herbáceas tais como os ginkgolídeos e a bilobalida e, tradicionalmente, têm sido utilizados na manutenção do rendimento cognitivo e de uma microcirculação adequada. O nosso produto Ginkgo Biloba contém ervas de alta qualidade estandardizadas para proporcionar 24% glicosídeos flavonóides de Ginkgo.

O gingko ajuda no sistema circulatório, melhorando tanto na circulação arterial, capilar e venosa.

O Ginkgo Biloba tem propriedades como vasodilatador, antioxidante, neuroprotetor e inibidor do fator ativador de plaquetas.
Promove o aumento do fluxo sanguíneo, especialmente no cérebro, o que explica os seus efeitos na memória e faculdades mentais. Contém flavonóides e ginkgólidos, poderosos antioxidantes, que protegem as células dos ataques dos radicais livres. A Comissão E Alemã reconheceu os seus benefícios em deficits de memória, distúrbios na concentração, condição emocional depressiva, dores de cabeça, vertigens e zumbidos no ouvido de origem vascular.

De origem chinesa, é uma árvore considerada um fóssil vivo. É símbolo de paz e longevidade, por ter sobrevivido às explosões atômicas no Japão.

Foi descrita pela primeira vez pelo médico alemão Engelbert Kaempfer, por volta de 1690, mas só despertou o interesse de pesquisadores após a Segunda Guerra Mundial, quando perceberam que a planta tinha sobrevivido à radiação em Hiroshima, brotando no solo da cidade devastada. Suas folhas têm sido frequentemente usadas no combate aos radicais livres e como auxiliar da oxigenação cerebral.

Pesquisas alimentam a esperança de que a planta do Oriente previna (e ataque) tumores no ovário, na mama, no cérebro e no fígado. Com o seu extrato por perto, as células malignas autodestroem-se.

Nome Científico: Ginkgo biloba L.
Nome popular: Nogueira-do-japão
Origem: Extremo Oriente
Aspecto: As folhas se dispõem em leque e são semelhantes ao trevo. A altura da árvore pode chegar a 40 metros. O fruto lembra uma ameixa e contém uma noz que pode ser assada e comida


O extrato obtido de suas folhas comprovadamente reduz as tonturas, refresca a memória, alivia as dores nas pernas e nos braços e acaba com o zumbido no ouvido. Por tudo isso ela arrebanhou uma vasta clientela, composta na maior parte por idosos. Mas suspeita-se que o poder dessa planta de folhas de formato de leque vá além. Estudos realizados em laboratório e com seres humanos sugerem sua capacidade de prevenir e atacar tumores — mais um importante item que se acrescenta ao seu currículo.

Uma das pesquisas que obtiveram resultados mais estrondosos foi concluída no final do ano passado. Ao todo, 1 388 mulheres foram acompanhadas por seis meses. Todas relataram tomar algum tipo de remédio fitoterápico — equinácea, ervade- são-joão, ginseng e ginkgo. As que ingeriram esta última diariamente tiveram uma incidência 60% menor de tumores de ovário. Para entender o que estava ocorrendo, os surpresos cientistas levaram a ginkgo para dentro do laboratório. Lá misturaram o extrato da planta a culturas de células de ovário cancerosas. Bastou uma pequena dose para que o crescimento delas fosse reduzido em 80%.

ESTUDO PIONEIRO
Foi a primeira vez que se vislumbrou uma relação entre a ginkgo e o combate ao câncer/cacro de ovário. "Como o nosso estudo é pioneiro, as conclusões precisam ser confirmadas por novos trabalhos", disse à SAÚDE! Daniel Cramer, diretor de Obstetrícia e Ginecologia Epidemiológica do Brigham and Women`s Hospital, ligado à Escola Médica Harvard, nos Estados Unidos. "Até que outras investigações sejam feitas, acredito que mulheres com mais de 50 anos e histórico familiar de câncer de ovário deveriam considerar tomar ginkgo", diz ele.

Quando se fala em tumores em geral, o relatório de Cramer não é tão inovador assim. Mais de 50 estudos sobre ginkgo e câncer já foram catalogados. Em 2002 uma pesquisa conduzida pelo grego Vassilios Papadopoulos mostrou em laboratório e em testes clínicos que a ginkgo inibe o crescimento agressivo de tumores de mama. Também existem trabalhos sobre câncer cerebral e de fígado. "Essa já não é uma área de pesquisa em sua infância", diz Nise Yamaguchi, pesquisadora da USP e vice- presidente do Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer, em São Paulo. "Já existem muitos estudos consistentes. E com conclusões parecidas."

A maneira como a ginkgo e seus componentes agem em escala celular ainda não foi totalmente decifrada, mas há algumas hipóteses. "Talvez a planta esteja envolvida com a habilidade do organismo de causar apoptose, a morte programada de células defeituosas", diz Cramer. Outras estratégias descritas em diferentes trabalhos são sua habilidade para inibir os vasos que alimentam o câncer e sua capacidade de evitar danos ao DNA. Esses efeitos são obtidos por meio da ação de duas substâncias, os terpenóides e os bioflavonóides. Os primeiros viraram objeto de estudo mais recentemente. Os bioflavonóides, contudo, são conhecidos de longa data. Agem como antioxidantes, combatendo os radicais livres e impedindo o envelhecimento. Ambos fazem parte do mesmo extrato, o EGb 761 — matéria-prima dos comprimidos vendidos em farmácias.

O comprimido de ginkgo biloba desencadeia diversas reações que vão desde os pés até os ouvidos. Os vasos sangüíneos se dilatam e o sangue fica menos viscoso (mais "fino", como se diz). Assim, corre mais rápido, com mais facilidade, e alcança melhor os lugares mais distantes do coração. O labirinto, estrutura que pertence ao ouvido, passa a ser mais bem irrigado e oxigenado, o que ajuda a acabar com tonturas e zumbidos. As áreas do cérebro responsáveis pela memória e pelo raciocínio ficam mais despertas. O fluxo mais intenso também acaba com as dores nos braços e nas pernas, comuns na terceira idade. "A ginkgo produz muitos resultados e por isso divide com a ervade- são-joão o título de planta mais estudada na atualidade", afirma João Batista Calixto, professor de farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e autoridade brasileira em medicamentos fitoterápicos.

Entre todas as benesses creditadas à planta, uma passou a ser questionada recentemente. É a que se refere à contribuição da ginkgo aos pacientes com Alzheimer. "Possivelmente o benefício seja alcançado apenas se a droga for utilizada de forma preventiva, anos antes do início da doença", diz Orestes Forlenza, psiquiatra e pesquisador do Laboratório de Neurociências da Universidade de São Paulo. "Os estudos clínicos da ginkgo para o tratamento de demências não demonstraram vantagens consistentes, possivelmente porque já era tarde demais e o tamanho do efeito era muito pequeno para modificar o curso clínico", explica o pesquisador, que fez uma revisão da literatura médica sobre o assunto.

São raros os casos de efeitos colaterais advindos da ingestão de ginkgo, mas não se pode ignorá-los. A dose máxima recomendada é de 240 mg/dia. Esse cuidado existe porque, ao dilatar os vasos sangüíneos, a ginkgo pode provocar enxaqueca e aumentar a sensibilidade da pele, causando alergias. Esse problema é maior nas cápsulas de pó macerado e nas folhas para chá. Ao afinar o sangue, a planta também pode causar sangramentos (antes de submeter um paciente a cirurgia, os médicos costumam pedir que cesse a ingestão do comprimido). Na bula do medicamento há ainda advertências com relação a distúrbios gastrointestinas e queda de pressão arterial. "A ginkgo é uma planta segura, mas deve ser usada com cautela", resume o americano Daniel Cramer.

1 - PROCESSO NORMAL
Quando alguma célula se danifica, sofre radiação ou infecção, o organismo envia uma ordem para que ela se autodestrua. Esse processo é chamado de apoptose.

2 - CÉLULAS TUMORAIS
De vez em quando surgem células malignas que podem se multiplicar desordenadamente. O corpo manda a mesma ordem de implosão, mas elas não obedecem.

3 - COM GINKGO
Na presença da ginkgo, as células tumorais ficam menos "teimosas". Quando a
mensagem chega, a célula pode ter a membrana rompida. Os restos são comidos
por fagócitos, defensores do corpo.

 
O QUE JÁ SE COMPROVOU?
Dos muitos benefícios atribuídos à ginkgo, alguns foram validados pela literatura científica e outros, desacreditados

   
ZUMBIDOS NO OUVIDO E TONTURASão os principais chamarizes da planta. Ao aumentar a circulação no labirinto, estrutura interna do ouvido, a ginkgo diminui zumbidos e melhora a sensação de equilíbrio.
   
DORES EM BRAÇOS E PERNAS

Os benefícios do extrato para a circulação se refletem na melhor irrigação das áreas mais distantes do coração, o que alivia as dores nos membros.
   
ENVELHECIMENTO

Seus bioflavonóides são antioxidantes que combatem os radicais livres e evitam danos às células, acumulados com a idade.
   
CÂNCER DE OVÁRIOUm estudo publicado em outubro de 2005 mostrou que a incidência desses tumores diminuiu entre 60% e 70% nas mulheres que ingeriram comprimidos com extrato de ginkgo.
   
CÂNCER DE MAMA

Testes preliminares em laboratórios e estudos clínicos publicados em 2002 indicaram que o extrato das folhas pode inibir a proliferação agressiva de tumores de mama.
   
MEMÓRIA

A Organização Mundial da Saúde considera que a ginkgo melhora a capacidade de memória e de aprendizado, mas estudos recentes começam a pôr em dúvida se o efeito persiste no longo prazo.
   
ALZHEIMERA ginkgo já foi aprovada em alguns países para ajudar na prevenção dessa doença. Contudo, novos testes não mostraram benefícios consistentes quando o mal já está instalado.
   
COMPROVADO EM TESTE CONTESTADO



Modo de emprego: Tomar 1 a 3 comprimidos por dia, às principais refeições. Use este produto em conjunto com comida, como parte de uma dieta equilibrada e saudavél, não como substituto da mesma.

Apresentação: 100 comprimidos


Indicações Terapêuticas:

  • Memória
  • Prevenção do cancro da mama e de tumores nos ovários
  • Sistema circulatório
  • Acção vasodilatadora
  • Tensão arterial
  • Arteriosclerose
  • Tonificante das paredes das artérias
  • Vertigens e perda de equilíbrio
  • Acufénios (zumbidos dos ouvidos)
  • Cefaleias
  • Transtornos da memória e senilidade
  • Tromboses e embolias
  • Arteriopatias dos membros inferiores (falta de irrigação das mãos e pés)
  • Acroparestesias (dormência dos pés e mãos)
  • Angiopatias (doença de Reynaud)


Informações alérgicas: Manufacturado em instalação que também processam proteínas de leite, soja e ovo, glúten e amendoins!
Contra-indicações: Não exceder a dose diária recomendada. Os suplementos alimentares não devem ser utilizados como substitutos de um regime alimentar variado. Manter fora do alcance e visão das crianças. Antes de tomar este produto verifique se é alérgico aos seus componentes. Como em qualquer outra situação de produtos naturais, os resultados obtidos variam de pessoa para pessoa pois cada indivíduo possui um metabolismo característico.

Comentários/Opiniões Reais e Confirmados

Path: > > > Ginkgo Biloba 100 comprimidos PRICE

Los clientes que adquirieron este producto también compraron:

30 productos más en la misma categoría: