Graviola - Anti-Câncer/Cancro - 60 cápsulas de 1000mg - Price

New product

No reward points for this product.


7,38 € tax incl.

Add to wishlist

Aceitamos Multibanco, Transferência, Payshop, Visa, Western Union, Boleto, Etc...
Aceitamos Multibanco, Transferência, Payshop, Visa, Western Union, Boleto, Etc...

More info

GRAVIOLA 1000 MG

As pesquisas comprovam que a annona muricata (Graviola) tem demonstrado resultados positivos como: inibidora do vírus herpes simplex; possuir propriedades antivirais, antiparasitárias; e ser benéfica contra os efeitos antirreumático e citotóxicos. Hoje em dia sabe-se também que tem propriedades anti-Cancro/Câncer.

A Graviola tem sido usada desde há séculos por tribos indígenas no combate e prevenção de diversas maleitas. Por exemplo, nos Andes Peruanos usam o chá das folhas para combater o catarro, e na Amazónia peruana para diabetes, como sedativo e anti-espasmódico.

O chá das folhas da graviola é usado popularmente como digestivo, para problemas de fígado, hipertensão, para combater insónias e enxaquecas.

Na Graviola tudo se aproveita, desde as flores, folhas, fruto, sementes e até a raiz. As suas supostas propriedades anti-cancerígenas estão também muito divulgadas, sobretudo pela internet.

Ver este vídeo: Vídeo

A Graviola(Annona Muricata), vem sendo pesquisada por várias universidades e instituições independentes. Abaixo se encontra um breve resumo das principais pesquisas conduzida por estas instituições:

Principais Ações da Graviola(em ordem)
Anticancerígeno, antitumoral, antimicrobiano, antiparasítico, hipotensivo.

Principas Usos da Graviola

-Câncer(todos os tipos)

-Antimicrobiano interno e externo de amplo espectro para infecções bact erianas e fúngicas.

-Vermes e parasitas internos

-Hipertensão

-Depressão, stress e distúrbio do sistema nervoso.

Propriedades e ações documentadas por pesquisas
Antibacteriano, anticancerígeno, antidepressivo, antifúngico, antimalárica, antimutagénico, antiparasítico, antiespasmódico, antitumoral, cardiodepressivo, emética, hipotensivo, inseticida, sedativa, estimulante uterino e vasodilatadora.


Os efeitos anticancerígenos e citotóxicos da graviola são atribuídos às acetogeninas anonáceas, que apresentam diversos mecanismos de ação, descriminados abaixo :

Mecanismos de ação (Leia observação no final da página)

Atividade anticancerígena e Citotóxica

• Inibição da enzima NADH oxidase nas membranas plasmáticas das células cancerígenas, resultando na diminuição brusca de ATP celular.46,79,80

• Inibição do complexo I (NADH:ubiquinona oxidoredutase) no sistema de transporte eletrônico mitocondrial, inibindo a fosforilação oxidativa e resultando na diminuição dos níveis de ATP celular e na inibição do crescimento das células cancerígenas.46,80-83

• Inibição das células cancerígenas resistentes a múltiplas drogas. A resistência à múltiplas drogas, dentre outras causas, ocorre pelo presença de uma“bomba”, P – glicoproteína, na membrana plasmática das células cancerígenas. Essa “bomba” assegura a eliminação das drogas anticâncer antes mesmo que elas tenham ação. Sua atividade necessita de ATP. Foram descobertos dois sítios de ligação intracelular ao ATP na estrutura molecular das P-glicoproteínas. As acetogeninas, através do mecanismo de diminuição do ATP, pode reduzir a atividade ou mesmo fechar a bomba de P-glicoproteína.46,80,84

• As células cancerígenas na fase S do ciclo celular são mais vulneráveis à ação das Acetogeninas Anonáceas. A Anonacina induz o ciclo celular a parar na fase G1 e inibe a progressão da fase S . Além disso estimula a ação de p53 e p21, proteínas do ponto de checagem do ciclo.48

Através de mecanismos de ação citados acima, as acetogeninas fazem diminuir a fosforilação oxidativa e a produção citosólica de ATP. A privação de ATP leva as células cancerígenas à apoptose.46,80


    CONTRA INDICAÇÕES
    Contra indicado durante a gravidez ou amamentação.

    A Graviola têm demonstrado atividades hipotensiva, vasodilatadora e cardiodepressiva em estudos feitos em animais. Pessoas com pressão baixa ou que utilizam medicação antihipertensiva devem consultar o seu médico antes de utilizar a Graviola, e ainda monitorar sua pressão sanguínea freqüentemente.

    Graviola é contra indicado em combinação com CoQ10 e outros suplementos que aumentam a ATP celular. Um dos mecanismos de ação da Graviola é agir como inibidor de ATP.
    Um estudo com ratos que receberam intragastricamente, extrato do caule-casca (a 100 mg/kg) ,demonstrou um aumento de dopamina, norepinefrina e da atividade da monoaminoxidase, assim como uma inibição da liberação de serotonina em ratos induzidos ao stress.
    É provável que devido à isso , o uso desta planta é contraindicado em combinação com inibidores da monoaminoxidase(MAO) e em algumas prescrições de antidepressivos. Antes de iniciar o uso da graviola ,verifique com seu médico se você se você se encaixa em algum dos dois grupos citados acima

     INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

    Nenhuma interação foi reportada, porém a graviola pode potencializar a atividade de drogas antihipertensivas e cardiodepressivas.

    Existe a possibilidade de potencializar drogas antidepressivas e interferir na atividade dos inibidores de MAO(monoamino-oxidase). Veja as contra-indicações acima.

      OUTRAS OBSERVAÇÕES:

    A Graviola, tem demonstrado significativas propriedades antimicrobial in vitro. Uso crônico ou prolongado destas plantas pode prejudicar bactérias amigáveis ao trato gastrointestinal, devido as sua propriedades antimicrobianas. Complementar a dieta com probióticos e enzimas digestivas(como iogurte) é recomedável, se este produto for utilizado por mais de 30 dias.

    A Graviola demonstrou propriedades eméticas em um estudo com animais, realizado com porcos. Altas dosagens únicas podem causar náusea ou vômitos. Caso isto ocorra, a utilização deve ser reduzida adequadamente, ou deve ser utilizada durante as refeições.

    Beber muita água(pelo menos 8 copos por dia) é recomendável para evitar ou reduzir a reação Herxheimer.

    Esta planta vem sendo utilizada como sedativo por tribos indígenas(em grandes quantidades). Reduza a dosagem, se isto ocorrer.


    Referencias bibliográficas

    1. Schultes, R. E. e Raffauf. “A cura através da floresta : Plantas medicinais e tóxicas do noroeste da Amazônia”. Portland: R. F. Dioscorides Press. 1990.
    2. Morton, J. F. “A medicina popular do Caribe e América Latina e sua influência nos Estados Unidos. Q. J. Crude Drug Res. 1980; 18(2): 57-75
    15. Weniger, B. et al. “Medicina Popular do Haiti. 2. Inventário Etnofarmacológico” J. Ethnopharmacol. 1986; 17(1): 13-30.
    30. Ibid.
    31. Relatório de dados técnicos para a Graviola (Annona muricata). Sage Press, Inc. 2002.
    32. Anon. Unpublished Data, Instituto nacional do Câncer . Nat. Cancer Inst. Central Files. 1976.
    33. Ye, Q., et al. “Longifolicina, longicoricina e gigantetroneninona, Três novas acetogeninas anonáceas mono-tetrahidrofurânicas bioativas de Asimina longifolia (Annonaceae).” Bioorg. Med.Chem. 1996; 4(4): 537-4.
    34. Wang, L. Q., et al. “Acetogeninas Anonáceas das folhas de Annona montana.” Bioorg. Med. Chem. 2002; 10(3): 561-5.
    35. Chang, R. F., et al. “ Novas Acetogeninas anonáceas citotóxicas da Annona muricata.” J. Nat.Prod. 2001; 64(7): 925-31.
    36. Chang, F. R., et al. “Novas Acetogeninas anonáceas bis-tetrahidrofurânicas de Annona muricata.” Planta Med. 2003; 69(3): 241-6.
    37. Liaw, C. C., et al. “Novas acetogeninas anonáceas mono-tetrahidrofurânicas citotóxicas de Annona muricata”. J. Nat. Prod. 2002; 65(4): 470-5.
    38. Betancur-Galvis, L., et al. “Atividade Antitumoral e antiviral dos extratos de plantas medicinais da Colombia.” Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 1999; 94(4): 531-5.
    39. Woo, M. H., et al. “Cis-anonacina (2,4)-cis-e trans-isoanonacinas: Acetogeninas anonáceas mono-tetrahidrofurânicas citotóxicas das sementes de Annona cherimolia.” Arch.Pharm. Res. 1999; 22(5): 524-8.
    40. Kim, G. S., et al. “Muricoreacina and murihexocina c, acetogeninas mono-tetrahidrofurânicas, das folhas de Annona muricata.” Phytochemistry 1998; 49(2): 565-571.
    41. Fang, X. P., et al. “Gigantetronenina e gigantrionenina:
    Novas acetogeninas citotóxicas de Goniothalamus giganteus.” J. Nat. Prod. 1992; 55(11): 1655-63.
    42. Jossang, A., et al. “Anomonisvina: Uma nova acetogenina gama-lactona-monotetrahidrofurânica citotóxica de Annona montana.” J. Nat. Prod. 1991; 54(4): 967-71.
    43. Oberlies, N. H., et al. “Relações entre estrutura e atividade das diversas acetogeninas anonáceas contra células de adenocarcinoma de mama (MCF-7/Adr) resistentes a múltiplas drogas.” J. Med. Chem. 1997; 40(13): 2102-6.
    44. Zhao, G. X., et al. “ Acetogeninas biológicamente ativas dos caules e cascas de Asimina triloba.” Phytochemistry 1993; 33(5): 1065-73.
    45. Gonzalez-Coloma. A., et al. “Ação seletiva das acetogeninas, inibidoras do complexo I mitocondrial.” Naturforsch 2002; 57(11-12): 1028-34.
    46. Feras, Q., et al. “Acetogeninas Anonáceas: Progressos Recentes.” J. Nat. Prod. 1999; 62(3): 504-540.
    47. Oberlies, N. H., et al. “ Inibição de células tumorais em ensaio de difusão em disco in vitro por várias acetogeninas anonáceas. ” Cancer Lett. 1995; 96(1): 55-62.
    48. Yuan, Shyng-Shiou F., et al. “Anonacina, uma acetogenina mono-tetrahidrofurânica, induz o ciclo celular a parar na fase G1 e causa citotoxicidade na Bax- and caspase-3.” Life Sciences 2003; 72: 2853-2861.
    49. Abraham, A. M. “ Extratos de plantas com propriedades citostáticas em Cuba.” Rev. Cubana Med.Trop. 1979; 31(2): 97-104.
    50. Lannuzel, A., et al. “Toxicidade das Anonáceas em neurônios dopaminérgicos: Função potencial em doença de parkinson atípica em Guadeloupe.” Mov. Disord. 2002; 17(1): 84-90.
    79. Morre, D. J., et al. “Modo de ação da bulatacina,uma potente acetogenina: Inibição da atividade da NADH oxidase nas membranas plasmáticas da HeLa e HL-60” Life Sci. 1995; 56(5): 343- 8.
    80. Oberlies, N. H., et al. “Relações entre estrutura e atividade das diversas Acetogeninas Anonáceas contra células de adenocarcinoma de mama (MCF-7/Adr) resistentes a múltiplas drogas.” J. Med. Chem. 1997; 40(13): 2102-6.
    81. Tormo, J. R., et al. “Epoxi-acetogeninas e outros derivados epoxi poliquetídeos como inibidores do complexo I da cadeia respiratória mitocondrial. ” Planta Med. 2000; 66(4): 318-23.
    cinética dos inibidores do complexo I mitocondrial ”. Arch. Biochem. Biophys. 1999; 369(1): 119-26.
    83. Alali, F. Q., et al. “Acetogeninas Anonáceas: Progressos Recentes.” J. Nat. Prod. 1999; 62(3): 504-40.
    84. Gonzalez-Coloma, A., et al. “Ação Seletiva das acetogeninas inibidoras do complexo I mitocondrial.” Z. Naturforsch 2002; 57(11-12): 1028-34.
    85. Hasrat, J. A., et al. “ Derivados Isoquinolínicos isolados da fruta de Annona muricata como agonistas dos receptores 5-Htergic, 5-HT1A
    em ratos: Produtos antidepressivos inexplorados.” J. Pharm. Pharmacol. 1997; 49(11): 1145-9.

**Todas informações contidas neste site, tem apenas caráter informativo, e náo visam prescrever ou ir de encontro ao conselho médico. Se voce está procurando tratar qualquer doença, procure um profissional de saúde.

Comentários/Opiniões Reais e Confirmados

Path: > > > Graviola - Anti-Câncer/Cancro - 60 cápsulas de 1000mg - Price

Customers who bought this product also bought:

14 other products in the same category: